TINGIMENTO DE ROUPAS COM CORANTE EXTRAÍDO DO EUCALIPTO, UMA TENDÊNCIA .


    Há quase uma década, a engenheira florestal Ticiane Rossi pesquisa corantes naturais a partir de resíduos de madeiras. Para fazer o mestrado, voltou-se para o uso desses corantes no tingimento têxtil, quando em 2007 se deparou com o resíduo da produção de óleo essencial de folhas de eucalipto como uma fonte potencial para obtenção de corantes.

Os estudos evoluíram e em maio passado o trabalho obteve patente para o processo de tingimento e uso desse resíduo como corante natural para a indústria têxtil, registrada junto à Agência USP de  Inovação, ligada à Universidade de São Paulo. A engenheira desenvolveu o projeto dentro de laboratórios da ESALQ (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), da USP, com campus em Piracicaba, interior paulista.

Os resultados do projeto atraíram a atenção da iniciativa privada, resultando em convênio formal de cooperação com a Stenville Têxtil, empresa de Jundiaí, também no interior paulista, que atua no ramo de estamparia e tinturaria de malhas, além da confecção de roupas e acessórios.

Nos ensaios, foi usado o resíduo do óleo extraído das folhas de eucalipto para tingimento em meia malha e tecidos 100% algodão. “Não fiz tingimentos em brim e denim, mas daria para tingir sem problemas, pois os resultados entre o tingimento de meia malha e tecido plano deram resultados semelhantes”, assegura Ticiane.

Ela explica que o resíduo poderia ser obtido nas empresas que produzem óleos essenciais. Sendo gerado no processo de destilação do óleo, o resíduo geralmente é descartado pelas empresas. Na condição de um dos maiores produtores mundiais de óleo de folhas de eucalipto, o Brasil apresenta importante volume desse efluente. Para o ensaio, porém, ela submeteu as folhas à pressão com vapor de água a fim de obter o extrato do óleo destilado.

O tingimento foi feito pelo processo de esgotamento. E o tecido adquiriu coloração bege. Ticiane ressalta que usando mordentes (sais metálicos) seria possível obter outras cores. “Mas, no estudo, apenas foi avaliado o tingimento natural, sem mordentes, para minimizar o impacto ambiental do processo”, ressalta. Segundo a pesquisadora, também não foi necessário usar aditivos para fixar a cor. “Ele é bastante estável, o que é muito raro em corantes naturais, que era nosso maior desafio”, destaca.

Ela observa ainda que o corante de eucalipto tinge a celulose que, em geral, é uma fibra que se mostra difícil de ser tingida.

Fonte: GBL Jeans.

FORNECEDORES DE JEANS PARA FACÇÃO E COMO SE MANTER ESTÁVEL COM ELES


    Me desculpe pessoal por demorar em postar mais assuntos aqui, mas andei muito ocupado nos últimos dias e não consegui arrumar tempo para escrever, mas hoje venho falar de um assunto muito importante para quem tem uma facção de jeans, o fornecedor a quem ela vai prestar serviço, qual o relacionamento certo a seguir e o que se esperar de uma facção em jeans em um momento que a China invade nossas prateleiras com peças que chegam aqui prontas a R$ 12,00 no máximo, então espero que gostem do assunto e comentem.

Quando estamos com a produção rodando vem aquele inconveniente problema, a falta de produto na entrada, aí você liga para seu fornecedor e ele diz que vai te mandar e não manda fica enrolando, claro isso acontece por que as coisas estão ruins para ele, precisa segurar a produção para não estocar muito e nisso quem paga são as facções, mas como achar um meio termo para se manter abastecido independente da época do ano. Bom isso posso te dizer com certeza, depende muito do relacionamento e da sua qualidade com a empresa e o produto além de juntar o quanto você atendeu o seu fornecedor na época que ele precisou, pois funciona assim nesse setor, uma hora da caça e outra do caçador, não é diferente disso não e esses fatores que mencionei é meio caminho andado, você deve se prevenir de outras formas também, aumente o grupo na época forte e não fique na mão de apenas um fornecedor, pois se ele não te abastece direito você acaba tendo um prejuízo certo, deve ter mais 1 ou 2 fornecedores, assim na falta de serviço dos três, com uma redução de pessoal, com os 3 abastecendo (um pouco de cada pois diminui a demanda) se mantém pelo menos um grupo funcionando normalmente, com isso acontece uma renovação natural de 1 ano para outro em seu grupo de trabalho, com a saída de alguns funcionários descontentes ou que vão para outra cidade, ainda assim a empresa funciona normalmente .

Outra saída interessante mais que demanda um pouco mais de tempo de um grupo de trabalho é o aumento do porte de sua empresa para oferecer seus serviços a empresas de ponta com uma alta produção e que precisem receber o produto parcialmente ou até mesmo totalmente acabado em suas prateleiras, elas pagam mais, e sua empresa oferecendo essa opção se torna diferenciada, podendo ter mais argumentos na hora de negociar, mas cuidado, deve ser especializado e acertar a logística muito bem senão o seu dinheiro vai demorar mais ainda para chegar em sua conta, essa opção daqui a 3 ou 4 anos vai se tornar a única opção para os facçionistas, principalmente aqueles que prestam serviços a grandes ou médios fornecedores.

Mas ainda vai um conselho final, guarde dinheiro e monte sua própria marca, lance ela aos poucos no mercado e torne ela conhecida, na verdade é isso que te dará lucro de verdade, enquanto sua facção não for grande não conseguirá se tornar uma empresa altamente rentável.

Mas ainda preserve seus bons relacionamentos, nesse ramo existe muitos malandros em que as empresas fornecedoras já estão cansados deles, seja honesto, pontual e faça ainda de sua palavra uma de suas armas, se falou ou prometeu para tal dia cumpra, seja inteligente com a colocação das palavras, não estou dizendo para ser um banana mas sim inteligente deixe sua política clara e tenha uma linha de pensamento, pois se numa dessas você tiver êxito em sua marca própria será esses aspectos de sua personalidade que vão definir se sua empresa será grande ou pequena, será organizada ou uma bagunça, pois como diz Ghandi, “você é aquilo que você pensa que é,  é do tamanho em que almeja ser”, então haja da maneira que você gostaria em quem agissem com você, para que quando estiver grande saiba tratar os pequenos, ainda que agora sofra com esse tipo de comportamento, lembre-se, essas qualidade apenas existe em grandes Case´s e líderes mundiais, pense nisso e comentem.

Minissaias retornam a moda jovem


 Com as saias retornando à cena da moda, as minis deverão ter lugar garantido nas coleções voltadas para o mercado jovem. A Diesel mostrou disposição nesse sentido com o desfile para apresentar o spring/summer 2012, na semana de moda de Berlim, na Alemanha. Escolheu quatro modelos, dois em sarja, um em denim e outro manchado com punho de malha.

Abriu a sequência com a minissaia em sarja verde estonável, com marcações de costura e outros efeitos obtidos em lavanderia. Mais comportado, outro modelo usa sarja com acabamento em resina imitando couro natural. Em denim, o modelo curtinho vem transpassado, combinado com camisa também curta, cujo comprimento termina na altura do cós da saia.

Ela voltou a cena devido ao apelo fashion que se dá com meias que estão cada vez mais na moda, então se quiser estar na moda deve adquirir um look desse ou então ficar fora da moda.

Zinco escolhe SP para abrir sua 1º loja de varejo


    A Zinco, marca pertencente ao grupo Morena Rosa, escolheu a cidade de São Paulo para montar sua primeira loja própria de varejo, planejada para ser inaugurada em julho de 2012. A localização do ponto ainda está em processo de escolha, anuncia Ana Caroline Martins, coordenadora de marketing da marca.

Para a coleção de verão, com lançamento programado para setembro, será incluída uma nova linha para as mulheres, a Zinco VIP, com peças voltadas para a noite. As coleções feminina e masculina da marca são feitas separadamente. Para as mulheres, a coleção de verão terá 155 modelos (incluindo 25 da linha VIP), das quais 40 são jeans.

Caroline destaca para a estação os shorts jeans em geral e os resinados, na linha VIP, com lavagens bem detonadas, peças somente alvejadas e outras com cores fortes. Para as calças, as lavagens incluem o amaciado, estonados, delavê e destroyed. Para a campanha do verão, a marca convidou as atrizes Marina Ruy Barbosa e Giovanna Lancellotti.

TENDÊNCIAS DE LAVAGENS PARA O INVERNO 2012


 Como evento paralelo aos lançamentos de inverno 2012 da Vicunha, foi realizada ao longo de toda a semana a terceira edição do Laundry Lab, com o objetivo de mostrar as tendências de efeitos de lavanderia para a estação. Sete lavanderias participaram do evento: Clarear, Comask, Dinâmica, Fama, GB, Pluma e Wash Brasil. Entre os efeitos previstos para o inverno de 2012, as empresas destacam a combinação de processos para o vintage discreto, aplicação do efeito de luzes e trabalhos com resina.

Seguem pela linha do vintage, que agrega vários efeitos na mesma peça, Pluma, de Cianorte (PR), a Comask, de Sorocaba (SP), e a GB, de Colatina (ES), com modelos que mesclam bigodes 3D e simples, aplicações com laser e puídos, além de patches.

A lavanderia Fama, de Brusque (SC), apresentou lavagem que denominou de ecológica, pois, segundo Fabrício Coelho, diretor da empresa, o procedimento gasta 5% da quantidade de água que seria usada em um processo normal, por conta do uso do ozônio.

O jogo de contrastes produzidos pela aplicação de luzes marcou as peças apresentadas pela Dinâmica, de Maringá (PR), e pela Clarear, de Londrina (PR), além de Pluma, Comask e Fama.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

BALANÇA COMERCIAL TÊXTIL REGISTRA DÉFICIT DE US$ 2,26 BI


     Até junho deste ano, a balança comercial do setor têxtil e de confecção acumulou déficit de US$ 2,26 bilhões, informou ontem, 20, a ABIT (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção). O valor, que não inclui a fibra de algodão, é 43,2% maior do que o déficit na balança em igual período de 2010. As importações tiveram aumento de 31,7%, totalizando US$ 2,96 bilhões, e as exportações cresceram 4,7%, com US$ 706,3 milhões.

O balanço do primeiro semestre foi anunciado por Aguinaldo Diniz Filho, presidente da ABIT e diretor-presidente da Cedro, durante a cerimônia de abertura da edição da Première Brasil, voltada aos lançamentos do inverno 2012. O executivo afirmou que para 2011 a expectativa é repetir o desempenho do ano anterior, quando o setor faturou US$ 52 bilhões. “Acredito que caminhe para faturar a mesma coisa. O que, nesta conjuntura de demanda desaquecida, estaria de bom tamanho”, disse.

Os investimentos do setor apontam para redução neste ano. Em 2010, segundo a ABIT, foram investidos US$ 2 bilhões. De janeiro a maio de 2011, o montante aplicado foi de US$ 500 milhões. Para Diniz, a diminuição reflete o momento da economia. “Este ano, existe preocupação com a demanda, então as indústrias estão repensando os investimentos”, afirmou o empresário, que disse ainda ser provável que em agosto participe de reunião com a presidente Dilma Rousseff, para tratar sobre medidas em relação ao aumento da importação de produtos têxteis e de confecção.

FACÇÃO EM JEANS AINDA É RENTÁVEL?


    Como estávamos abordando a alguns post atrás sobre facção, sua produção e sua lucratividade, hoje vamos fazer algumas colocações para ver se é o perfil de negócio que você procura.

Há muito tempo que os  preços por peça para facção em jeans estão defazados, peças básicas hoje ninguém paga mais que R$3,50 por peça, e peças mais desenvolvidas não passa de R$5,50 isso quando acha uma empresa que paga isso, mas como dissemos anteriormente o maior problema está na qualidade, empresas que demoram para pagar, não exige muito geralmente paga com demoras, chamamos esse tipo de empresa de problemáticas, outras que são as empresas boas de trabalhar tem produtos desenvolvidos e produtos básicos, mas que exige uma qualidade muito superior que a concorrência, aí o bicho pega, pois se não tiver qualidade você fica sujeito a empresas problemáticas que pagam com 30, 60 dias e quando não dão o calote e te deixam no prejuízo, você entrega seus lotes e elas somem, isso é muito comum nas empresas de São Paulo, então se você fabrica para lá tome cuidado, claro que não são todas mas fique atento a demoras no pagamento, cheques devolvidos, baixa na demanda, sempre procure segurar lotes com você e entregue após pagamento, porque na pior das hipóteses você fica com o lote e pode vender ele, mas voltando ao assunto, tudo depende  de como você leva sua empresa, políticas, regras, sempre ter um panorama claro, para quem você trabalha, quanto produz, quanto precisa de giro essas coisas, senão fica difícil encaixar os acontecimentos.

Então vamos fazer umas contas simples, você com 35 funcionários por exemplo deve produzir com um produto mesclado cerca de 9.500 peças por mês, na pior das hipóteses, a um preço médio de R$4,00, então terá um faturamento de R$ 36.960, depende do valor do salário de cada lugar, a maior despesa é a folha de pagamento então aí você verá se terá lucro ou não.

Na minha opinião facção é para aquela pessoa que quer trabalhar, não vai te dar um lucro exorbitante, apenas te fará ter uma vida melhor se levar tudo certo, mas com certeza viverá uma vida de trabalho duro e se tiver visão, qualidade e profissionais competentes do teu lado será bem sucedido nesse ramo da terceirização que está carente de empresas idôneas e que tenham visão.